Segunda-feira, 21 de novembro de 2016 às 23:36 em Cultura
Humoristas e fãs elegem as melhores piadas de Espanta; confira

Humoristas e fãs elegem as melhores piadas de Espanta; confira

Uma das piadas mais famosas do humorista potiguar era o "Cabaré da Leila"; Espanta faleceu em novembro de 2006 em um acidente de carro

 

Um dos personagens de David Cunha era o famoso "Pudim de Cana". Foto: Arquivo Pessoal

Um dos personagens de David Cunha era o famoso “Pudim de Cana”. Foto: Arquivo Pessoal

Humoristas e fãs cearenses de David Cunha, o Espanta, foram convidados pela Redação Web da Rádio Verdes Mares para selecionar as melhores piadas do humorista potiguar que conquistou o Ceará. Neste mês de novembro, faz 7 anos que David Cunha morreu em um acidente de carro no Rio Grande do Norte.

https://www.youtube.com/watch?v=F3Ua6-5Hfdk

Não importa qual personagem David Cunha interpretava – podia ser a Bastinha, o Chico Ernesto, oPudim de Cana ou mesmo próprio Espanta – o sucesso era garantido e o público, em casa ou nas pizzarias, onde ele se apresentava costumeiramente; caia na gargalhada. De todas as piadas de Espanta, a mais citada foi a do “Cabaré da Leila“. Ela é a preferida da esposa Lúcia de Oliveira. “É a piada que ele contava 10 mil vezes e as pessoas riam todas as vezes”, conta.

O humorista Augusto Bonequeiro diz que a piada “Cabaré da Leila” é “maravilhosa”, mas não esconde a preferência pela “Macumba”. Confira a piada:“Uma das piadas que eu gostava, que ele contava, era a do casal que ia para o terreiro de macumba e o pai de santo queria mamar no peito da mulher. Era muito engraçada essa piada, porque era com música, com dança e ele fazia uma dramatização muito legal”, diz Augusto, empolgado.

Espanta era amigo pessoal de Lailtinho Brega, Augusto Bonequeiro e Skolástica. Foto: Arquivo Pessoal

Espanta era amigo pessoal de Lailtinho Brega, Augusto Bonequeiro e Skolástica. Foto: Arquivo Pessoal

Lúcia diz que a piada do terreiro de macumba é única. “É a que eu acho a cara do Espanta. Não tem ninguém que consiga contar essa piada e, se contar, passa vergonha, porque é a identidade do Espanta”.

Lailtinho Brega lembra da piada do “Pato” e revela que ela é, na realidade, da Skolástica. “Depois que o Espanta contou, a Skolástica disse que não tinha mais condições de contar. Se você tinha uma piada boa, ele pegava e contava. Só que quando ele contava, morreu. Não adiantava mais, porque ninguém contava melhor que ele. Ele tinha esse dom”, revela Lailtinho.

> Alcione relembra o dia em que chorou, em Fortaleza, quando soube da morte de Espanta

Skolástica confirma a autoria da piada do pato e lembra, com entusiasmo, que Espanta tratou logo de comprar um pato de borracha para apresentar a piada nos shows. Skolástica diz que, inclusive, chegou a “passar vergonha” quando, depois da morte do humorista, contou a piada em um show em Brasília e foi surpreendida por alguém da plateia, que gritou: “Vai ficar imitando o Espanta até que horas?”. O episódio é relembrado com alegria por ela até hoje. Ouça:


fã de Espanta e engenheiro eletricista, Ícaro Brito, também cita a anedota como uma das melhores de Espanta, apesar de afirmar que é difícil escolher apenas uma. Ele também aponta o “Cabaré da Leila”, a da “Macumba” e as “boas histórias do amigo Bira”. Ícaro conheceu o trabalho do humorista por meio do DVD, em 2007 e lamenta não ter ido a uma apresentação de Espanta. “Infelizmente nunca fui para um show ao vivo dele, mas acho que já assisti a todo os vídeos dele que tem no YouTube, no mínimo umas 100 vezes. Sem contar com o DVD que, mesmo depois de 6 anos assistindo e ouvindo as mesmas piadas, ainda passo mal de tanto rir”, revela o engenheiro.

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

Outro fã de Espanta, o estudante de medicina, Bruno Brandão, teve o privilégio de assistir a duas apresentações do humorista na Capital cearense. “Eu lembro que em um desses shows, eu ria tanto das piadas que ele contava que teve um momento que ele parou o show e começou a frescar diretamente comigo”, lembra Bruno, que também passou a conhecer Espanta por meio do DVD, em 2006.

Bruno diz que gosta de várias piadas, mas escolhe a sua preferida. “Sem dúvidas, uma que eu sempre acho engraçado, apesar de ouvir pela milésima vez, é a do “gay no avião“, porque ele faz uma interpretação perfeita de todos os personagens da história, desde o “gay” até o velhinho”, relata.

Radialista relembra amizade com Espanta

O radialista da Verdinha e apresentador da TV Diário, Paulo Oliveira, relembra alguns momentos de convivência com Espanta. “Eu o conheci em um show. Depois disso, a gente sempre se encontrava nas sextas-feiras nos restaurantes e ali ele já fazia um show para a gente, com aquela alegria. Ele era muito espirituoso, muito inteligente e nos deixou muito precocemente, infelizmente”, diz Paulo.

Paulo Oliveira ficou sabendo de sua morte por meio de Lúcia que o ligou no dia. “Lembro que a mulher dele me ligou e me deu essa triste notícia e eu fiquei arrasado porque eu tinha um carinho muito especial pelo Espanta”, afirma.

Confira Paulo Oliveira contando episódios curiosos de Espanta:

ALINE CONDE
REPÓRTER

COMENTÁRIOS
Ouça nossa rádio